Monorquidismo canino

Tengo un labrador de dos años al cual le falta un testículo, me he interiorizado bastante sobre el tema, pero no me convence para nada operarlo, de hecho no lo voy a hacer ya que no hay veterinarios confiables en mi provincia, mi pregunta se basa en que me digas tu experiencia con estos animales, ya que yo conozco gente que tiene perros monorquidos de 12 o 14 años y jamas tuvieron un problema.
2

2 respuestas

Respuesta
1
No siempre hay que operar a un perro con ese problema, a veces el testículo que no baja queda atrapado bajo el estómago e incluso en ocasiones en la ingle. Es cierto que hay animales que viven toda su larga vida con un solo testículo, pero tienes que tener en cuenta que es un problema hereditario y si tu perro tiene descendencia lo pasaría a los cachorros. Y lo que me parece más importante, que un testículo retenido, es muy probable que presente precesos tumorales.
Respuesta

Para um animal criptorquida, no qual existe um testículo ectópico dentro da cavidade abdominal, a indicação é a remoção cirúrgica dele, visto que o mesmo não é mantido na temperatura adequada, já que a função do saco escrotal é resfriar o testículo e o abdômen, onde se encontra o testículo ectópico, mantém uma temperatura elevada. O testículo não sendo mandido na temperatura adequade, acaba perdendo a sua função, não é um testículo fértil, e as chances de ele desenvolver um tumor/câncer são muito grandes, porém não são 100%. O fato de você optar por não fazer a cirurgia agora enquanto o animal é novo, é arriscar que ele desenvolva um tumor, e quando este for descoberto, já ser tarde para remover, visto que os perigos anestesicos são maiores em pacientes geriátricos.

No monorquidismo, o testículo não é formado, ele apenas não existe, só existe aquele que está no saco escrotal, então não há a necessidade de cirurgia.

Agora lembrando que tanto no criptorquidismo quando no monorquidismo e nos animais inteiros (sem alterações genéticas) as chances de desenvolverem tumores/cânceres nos testículos e na próstata são altas, portanto a indicação sempre é a castração precoce/eletiva para evitar o desenvolvimento dos mesmos. Agora se a sua opção é não castrar, faça exames anuais para controle, a fim de evitar o diagnóstico tardio e as metástases em decorrência dos tumores crônicos onde não foi realizado castração terapêutica a tempo.

Sou Médica Veterinária do estado do Rio Grande do Sul - Brasil CRMV-RS 13205
Espero ter exclarecido algumas dúvidas. Abraços

Añade tu respuesta

Haz clic para o

Más respuestas relacionadas